Você está aqui: Página Inicial > Noticias > 2015 > Conheça os membros do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil

Notícias

Conheça os membros do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil

Participação

GT de Governo Aberto foi eleito pela sociedade civil para assessorar nas questões da OGP
publicado: 13/11/2015 16h47 última modificação: 31/01/2017 15h33

O Grupo de Trabalho (GT) da Sociedade Civil para Assessoramento em Governo Aberto, criado pela Resolução Nº 1, de 18 de novembro de 2014, foi criado no dia 12/11/2015, data de divulgação do resultado final de processo seletivo em que as próprias entidades da sociedade civil escolherem seus representantes. O período de votação ocorreu entre os dias 30/10/2015 e 06/11/2015 e contou com 38 inscritos, totalizando 34 votos.

Ao final do processo, foram eleitos representantes das seguintes entidades:

Entidades da Sociedade Civil:

  • Observatório Social de Brasília – OSB
  • Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC
  • Rede pela Transparência e Participação Social – RETPS
  • Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola – Imaflora
  • Open Knowledge Foundation Brasil

Entidade do Segmento Acadêmico:

  •  Colaboratório de Desenvolvimento e Participação – COLAB/USP

 Entidade Representativa dos Trabalhadores:

  •  União Geral dos Trabalhadores - UGT

 

Conheça o perfil das entidades escolhidas pela sociedade civil:

Colaboratório de Desenvolvimento e Participação - COLAB/USP

Site: http://colab.each.usp.br/

O Colaboratório de Desenvolvimento e Participação (COLAB) foi eleito representante das entidades do segmento acadêmico. Essa organização atua na área de participação social, acompanhando processos e desenvolvendo aplicativos. Também faz pesquisas na área de Transparência e recentemente realizou um estudo para o Ministério da Justiça, dentro do edital "Pensando o Direito", denominado Desafios da Transparência no Sistema de Justiça. O COLAB também acompanha o processo de abertura de bases de dados, em especial de dados em Ciência & Tecnologia.

O COLAB tem participado ativamente da OGP, destacando as seguintes atividades:

  • Colaboração nas consultas para a elaboração e avaliação do 1o Plano através do Portal E-democracia;
  • Participação do diálogo presencial em Brasília para o 2o Plano de Ação do Brasil na OGP;
  • Coordenação do monitoramento das propostas da Sociedade Civil provenientes dos diálogos presencial e virtual para a construção do 2º Plano de Ação;
  • Participação no Encontro OGP Américas, em novembro de 2014.

 Voltar ↩

Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC

Site: http://www.inesc.org.br/

O Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC) foi escolhido pelas entidades da sociedade civil para representá-las no GT de Governo Aberto.

O Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC) é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, não partidária e com finalidade pública que tem por missão contribuir para o aprimoramento dos processos democráticos visando à garantia dos direitos humanos, mediante a articulação e o fortalecimento da sociedade civil para influenciar os espaços de governança nacional e internacional.

Criado em 1979, o INESC atua, em todos os seus projetos, com duas principais linhas de ação: o fortalecimento da sociedade civil e a ampliação da participação social em espaços de deliberação de políticas públicas.

Para a realização destas atividades é essencial contar com maior acesso às informações públicas, aumentar a participação cívica, combater a corrupção e aproveitar novas tecnologias para tornar os governos mais transparentes, eficazes e responsáveis diante dos cidadãos. É por isso que desde 2011 o INESC participa das atividades do OGP Internacional, tendo sido membro do Comitê Diretor até o começo deste ano.

Dentre os desafios propostos pela Parceria para Governo Aberto, o INESC realiza atividades voltadas para a melhoria dos serviços públicos, para o aumento da integridade pública e para a gestão mais efetiva dos recursos públicos, tanto no âmbito federal quanto regional. Além disso, suas atividades estão relacionadas com os princípios de transparência, participação cidadã, accountability e inovação, conforme listado:

  •  Acompanhamento, monitoramento e decodificação do processo orçamentário federal, do ciclo orçamentário e sua execução financeira;
  • Realiza Orçamentos Temáticos e os publica em parceria com o Siga Brasil;
  • Busca permanente pela ampliação de transparência e publicização das informações de planos e gastos públicos;
  • Atua com intervenção, capacitação e construção de conhecimento na questão fiscal e orçamentária;
  • Inesc realiza o Índice de Orçamento Aberto no Brasil em parceria com o IBP;
  • Realiza o Orçamento ao seu Alcance;
  • Realiza educação fiscal, tributária e orçamentária com crianças e adolescentes dentro dos Projetos Oca e Onda;
  • Avaliação de Investimentos e Direitos na Amazônia;
  • Articula internacionalmente com o GIFT – Global Integrity for Fiscal Transparency, com a Rede Latinoamericana de Justiça Fiscal;
  • Articula nacionalmente com o Fórum Brasil de Orçamento, Auditoria Cidadã da Dívida, Fórum Nacional de Participação Popular;
  • Participa das seguintes iniciativas governamentais: Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social, Fórum Interconselhos do PPA 2012-2015;
  • Participa de GT com a CGU e outras OSC sobre combate à corrupção;
  • Realiza estudos e participa de eventos sobre Orçamento, Justiça Fiscal e Transparência e participação cidadã;
  • Realiza atividade de advocacy nas temáticas de Orçamento, Justiça Fiscal e Transparência e participação cidadã;
  • Realiza ações de incidência junto aos gestores em decorrência das avaliações dos orçamentos temáticas;
  • Publica estudos e artigos na mídia relacionados com a temática de Orçamento, Justiça Fiscal e Transparência e participação cidadã.

 Voltar ↩

Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola - Imaflora

 Site: www.imaflora.org

O Imaflora é uma organização brasileira, sem fins lucrativos, criada em 1995, em Piracicaba/SP, para gerar transformações socioambientais, visando à conservação e o uso sustentável dos recursos naturais e a promoção de benefícios sociais.

Na esfera local, o Imaflora coordena o Observatório Cidadão de Piracicaba www.observatoriopiracicaba.org.br que atua no monitoramento das políticas públicas locais, incluindo os instrumentos de transparência e de controle social do município e em ações de educação para a cidadania e o controle social, por meio da realização de cursos e elaboração de material educativo, como a cartilha “Como Participar do Orçamento Público de Piracicaba”. Ainda na agenda de cidades, integra a Rede Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis, composta por cerca de 40 iniciativas, e a rede Cidade Transparente, iniciativa de 13 organizações que avalia a transparência pública e o acesso à informação nas capitais brasileiras.

Na esfera federal, a entidade participa de diversas coalizões nacionais, como o Observatório do Clima www.observatoriodoclima.eco.br , o Observatório do Código Florestal www.observatorioflorestal.org.br e a Coalizão Pró-UCs (Unidades de Conservação), que buscam contribuir coletivamente com a efetividade, o controle social, o monitoramento e a integridade de diferentes políticas socioambientais. Também é membro do Conselho Gestor de Florestas Públicas e do Conselho do Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal e elabora cartilhas sobre o funcionamento de conselhos e a realização de consultas públicas para a realização de Unidades de Conservação.

Na esfera internacional merece destaque a participação da instituição no processo de construção do acordo latino-americano sobre o Principio 10 (acesso à informação, à participação e à justiça em questões ambientais) www.cepal.org/en/principio-10, que pode dar um novo impulso na democracia ambiental no Brasil, na região e na rede “The Access Initiative” www.accessinitiative.org, rede formada por organizações de mais de 50 países que atuam com democracia ambiental.

 Voltar ↩

Observatório Social de Brasília - Observatório Social do Brasil

 Site: osbrasil.org.br  /  brasilia.osbrasil.org.br

Os observatórios sociais são associações civis, totalmente apartidárias, formadas por cidadãos e entidades unicamente interessados em contribuir para o bom uso dos recursos públicos. Eles auxiliam os governos a realizar suas funções, evitando desvios e promovendo a eficiência. Pensando em disseminar essas ideias por todo o país, a rede de observatórios sociais (www.observatoriosocialdobrasil.org.br) já está presente em mais de 100 cidades, de 19 estados, utilizando metodologia sistematizada pela PricewaterhouseCoopers, cujos resultados a levaram a ser premiada pela CEPAL/ONU, em 2009, dentre mais de 1.000 projetos latino-americanos, como a melhor ferramenta de inovação em tecnologia social.

Eixos de atuação dos Observatórios Sociais:

  •  Acompanhamento de Licitações, Cargos em Comissão, Convênios, Obras, Processos, Estoques e Produção Legislativa;
  • Educação para cidadania, incluindo Palestras, Concurso de Redação, Semana da Cidadania, Feirão do Imposto, Teatro / Fantoches, Parcerias institucionais etc.;
  • Promoção da Transparência, Controle Social e Accountability, por meio da verificação e análise da qualidade de Portais da Transparência, Capacitação dos Conselhos, Indicadores da Gestão Pública, Relatórios Quadrimestrais Próprios etc.;
  • Dinamização do ambiente local de negócios, pela Capacitação das MPEs para que participem das licitações, Divulgação das licitações e Cadastro gratuito para empresas.

 Voltar ↩

Open Knowledge Foundation Brasil

 Site: br.okfn.org/

A Open Knowledge Brasil (OKBR) é uma organização nacional apartidária, sem fins lucrativos, que utiliza e desenvolve ferramentas cívicas, faz análises de políticas públicas, trabalha com jornalismo de dados e promove o conhecimento livre, em especial dados abertos, para tornar a relação entre governo e sociedade mais transparente e para que haja uma participação política mais efetiva e aberta. 

Caracterização dos interesses recíprocos entre a OGP e a OKBR: 
A OGP define o conceito de Governo Aberto por meio dos princípios: Transparência; Prestação de Contas e Responsabilização (Accountability); Participação Cidadã e Tecnologia e Inovação. Um governo é considerado aberto se sua gestão, ações, projetos e programas refletem esses quatro princípios de Governo Aberto. O Direito de Acesso à Informação é uma das condições para um país participar da OGP. 
Para a OKBR, o Direito de Acesso à Informação está diretamente ligado à sua missão de promover o conhecimento livre. A OKBR tem pautado toda a sua atuação em projetos que promovem os princípios da OGP, como os seguintes:

  • Projeto: MIRA: Mapa Interativo de Recursos Abertos (veja em mira.org.br), que identificou e mapeou iniciativas que disponibilizam recursos educacionais abertos (REA) em 24 países da América Latina. Essa parceria resultou também em um vídeo totalmente livre, que explica um pouco mais sobre o que são REA, como produzi-los e utilizá-los. Veja mais detalhes sobre o projeto aqui. Parceiros: Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) da Unicamp, o Instituto Educadigital (IED) e a Escuela Superior Politécnica del Litoral (ESPOL). Financiador: Hewlett Foundation
  • Projeto: Dialogando (dialogando.org). Constituiu em um espaço no qual os candidatos e candidatas às eleições puderam apresentar suas opiniões e projetos sobre transparência, liberdade de expressão e privacidade. Veja mais informações aqui e o relatório detalhado aqui, aqui e no relatório final. Financiador: Web Foundation
  • Projeto: Pesquisa sobre portais de transparência - Pesquisa sobre dados abertos do Inesc, desenvolvida em parceria com o Gpopai-USP e financiada pela Web Foudation, investigou sites das 27 capitais brasileiras, do governo federal e do senado. Além de escutar representantes de organizações da sociedade civil, do governo, da academia e da mídia. Financiador: Inesc
  • Projeto: Vai Mudar (vaimudar.org) Explorou as relações de grupos econômicos com a construção da Copa do Mundo e promoveu manifestações pacíficas através do uso criativo da tecnologia, contando com o apoio da Fundação Avina Américas. Promoveu-se também discussões em torno de temas concretos sobre os quais os brasileiros anseiam por mudanças, oferecendo informações sobre as relações entre as principais redes de poder do país. Veja aqui o relatório final enviado para o financiador, que apoiou continuação de parte dele no ano de 2015 para a criação do projeto Eu Voto. Financiador: Fundação Avina
  • Projeto: Comunica DH - Promoveu o uso de ferramentas de comunicação para divulgar os direitos humanos para os toda a sociedade. Financiador: Secretaria de Direitos Humanos da cidade de São Paulo.
  • Projeto: Distrito Federal Aberto -  Em colaboração com a Secretaria de Transparência e Controle (STC) do governo do Distrito Federal (GDF), foi desenvolvido um diagnóstico para a abertura de dados governamentais no Distrito Federal e um plano de ação para a implementação de uma Política Distrital de Dados Abertos. Financiador: Open Knowledge Internacional (parceria com Banco Mundial).
  • Projeto: Desarrollando America Latina (DAL) 2014 - Em parceria com a Casa do Desenvolvimento Humano Contemporâneo e o LabExperimental, com o apoio do Garoa Hacker Club, Raul Hacker Club e Calango Hacker Club, através de uma parceria com a Wingu (Argentina), a OKBR realizou em novembro a edição de 2014 do desafio Desarrollando América Latina (DAL). O evento, que ocorreu junto a outros 14 países, promoveu uma série de atividades que incentivaram o desenvolvimento de projetos nas áreas de Governo Aberto, Transparência Pública e Participação Popular. Financiador: Hivos Iternacional.
  • Projeto: Gastos Abertos - OKBR foi premiada no Desafio de Impacto Social Google Brasil com o projeto Gastos Abertos. Mais de 750 projetos de todo o Brasil participaram do concurso. Quatro receberam o prêmio máximo, de um milhão de reais, e outros seis – entre eles a Open Knowledge Brasil. O projeto contou inicialmente com uma análise dos dados do orçamento da cidade de São Paulo para avaliar quais ferramentas e visualizações poderíamos fazer para o projeto. Organizamos um evento com membros da sociedade civil, especialista na área de orçamento e jornalistas para obtermos do público qual ferramenta esperavam e o que iríamos construir a partir dos dados disponíveis. Financiador: Google.
  • Projeto: O Cuidando do Meu Bairro mostra em um mapa a localização dos gastos previstos ou realizados dentro do município de São Paulo. Além dessa ferramenta disponibilizada na web, o projeto pretende elaborar um material didático sobre o orçamento que apoiará atividades de capacitação e de atuação na comunidade. Veja mais informações aqui. Planejamos buscar financiamento para o projeto para o ano de 2015. Financiador: Inesc.
  • Projeto: Escola de Dados - realização de diversas oficinas de jornalismo de dados em parceria com importantes universidades publicas brasileiras, a saber, UFBA, UFRJ e USP. Financiador: Open Knowledge Internacional (via Hewlett Foundation e Banco Mundial).
  • Projeto: Iniciativa Latino-americana pelos Datos Abiertos (ILDA) - rede de organizações da região que visa promover a investigação, a apropriação e a utilização de dados abertos. A Open Knowledge Brasil está participando dessa rede através da pesquisa da professora dra. Gisele Craveiro. Financiador: Fundação Avina.
  • Projeto: Cidades Transparentes - coordenação geral da AMARRIBO Brasil e do Instituto Ethos, tem como objetivo avaliar o nível de transparência das cidades brasileiras e promover a implementação da Lei de Acesso à Informação (LAI) e outros mecanismos de controle social 


Voltar ↩

Rede pela Transparência e Participação Social - RETPS

Site: http://retps.org.br/ 

RETPS é uma Rede constituída por organizações da sociedade civil e cidadãos que atuam para ampliar a transparência do poder público, bem como para estimular a sociedade a participar e a exercer o controle social dos recursos e das políticas públicas.

Entre os focos de atenção do coletivo estão a Lei de Acesso à Informação, transparência orçamentária, dados abertos, Parceria para Governo Aberto, ferramentas digitais para auxiliar o cidadão, além de propostas priorizadas na 1ª Conferência sobre Transparência e Controle Social – Consocial.

A RETPS organiza debates sobre o desenvolvimento da lei de acesso à informação, participa e acompanha a elaboração do Conselho Municipal de Transparência em São Paulo, participa de reuniões, realiza pedidos de informação de interesse público, como informações sobre funcionários públicos comissionados e terceirizados. Realiza também ações de advocacy, como envio de cartas para apoiar a inclusão do acesso à informação nos objetivos de desenvolvimento sustentáveis e manifesto contra a retirada das informações oficiais em período eleitoral. Também realizou um levantamento sobre a regulamentação da LAI nas cidades do Estado de São Paulo e recentemente organizou o Prêmio Cadeado de Chumbo, que ironiza “desculpas” de órgãos públicos para não dar informações. Os internautas podem votar na resposta mais inconsistente e descomprometida com o efetivo cumprimento da Lei de Acesso à Informação.

 Fazem parte da RETPS:

  • Ação Educativa
  • Amarribo Brasil
  • Artigo 19
  • Associação dos Procuradores do Estado de São Paulo – APESP
  • Associação dos Especialistas em Políticas Públicas do Estado de São Paulo – AEPPSP
  • Conselho de Representantes dos Conselhos de Escola – CRECE
  • Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação – Gpopai-USP
  • Instituto Ethos
  • Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral – MCCE
  • Movimento Voto Consciente
  • Rede Nossa São Paulo – RNSP
  • W3C Brasil

 Essas organizações tiveram participação na OGP desde o seu início e contribuíram tanto com os planos de ação desenvolvidos quanto com o modelo de governança em vigor atualmente.

 Entidades que representarão a RETPS no GT de Governança da OGP:

  •  O W3C Brasil e o Centro de Estudos e Tecnologias Web - Cewe.br, do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto Br (NIC.br) têm vasta atuação nos temas de Governo Aberto e, especialmente, dados abertos. Engloba especialmente os temas de transparência, participação cidadã e tecnologia e inovação.
  •   A ARTIGO 19 tem grande atuação no cumprimento da Lei de Acesso à Informação e trabalha para que todos e todas, em qualquer lugar, possam se expressar de forma livre, acessar informação e desfrutar de liberdade de imprensa. Engloba especialmente os temas de transparência, participação cidadã; prestação de contas e responsabilização dos agentes públicos – accountability.

União Geral dos Trabalhadores - UGT

 Site: http://www.ugt.org.br/

A União Geral dos Trabalhadores - UGT, tem como prática um sindicalismo cidadão, ético e inovador, que visa difundir e incentivar práticas governamentais relacionadas à transparência dos governos, ao acesso à informação pública e à participação social. A UGT defende a unidade no sindicalismo e o direito à livre associação e organização, visando a construção de um projeto social pacífico, justo e democrático, centrado no ser humano, capaz de oferecer respostas e propostas aos problemas nacionais.

A UGT tem buscado de forma contínua desenvolver um trabalho efetivo visando que o Governo seja transparente, possibilite acesso a informação e principalmente possibilite a participação social na construção de suas políticas públicas.

Além da promoção permanente das Normas Internacionais do Trabalho, do emprego, da melhoria das condições de trabalho e da ampliação da proteção social, a atuação da UGT tem se caracterizado, no período recente, pelo apoio ao esforço nacional de promoção do trabalho decente em áreas tão importantes como o combate ao trabalho forçado, ao trabalho infantil e ao tráfico de pessoas para fins de exploração sexual e comercial, à promoção da igualdade de oportunidades e tratamento de gênero e raça no trabalho e à promoção de trabalho decente para os jovens, entre outras;

Visando a construção de práticas governamentais relacionadas à transparência do governo, ao acesso à informação pública e à participação social, a UGT tem representação nos seguintes conselhos do Governo Federal, sendo que, a partir de sua participação nesses conselhos implementa projetos de transparência, acesso a informação pública e participação social, que são amplamente difundidos em todo o Brasil:

 • Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador – CODEFAT - MTE;

 • Conselho Curador do FGTS - MTE;

 • Conselho Nacional da Previdência Social - MPS;

 • Conselho Nacional de Imigração - MTE;

 • Conselho Curador do Fundo de Desenvolvimento Social – CCFDS;

 • Conselho Nacional da Juventude - SG/PR;

 • Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil - CONAETI;

 • Comissão Nacional Tripartite de Saúde e Segurança no Trabalho;

 • Conselho Nacional de Relações do Trabalho.

Saiba mais: